• IBEPMH

Utilidade clínica da oxigenoterapia hiperbárica em odontologia

Esse impacto mais amplo do uso da oxigenoterapia hiperbárica na odontologia está ganhando maior atenção com os resultados das pesquisas mais recentes feitas por grupo de profissionais da saúde nos Estados Unidos. Há novos avanços na pesquisa em relação aos casos pós-radioterapia, osteonecrose da mandíbula, osteomielite, doença periodontal e implantes dentários. A oxigenoterapia hiperbárica pode até ser usada em conjunto com outros procedimentos, como enxerto ósseo. Embora a pesquisa e a utilidade clínica tenham percorrido um longo caminho, há várias complicações a serem consideradas durante a aplicação da oxigenoterapia hiperbárica.


Introdução


A oxigenoterapia hiperbárica (OHB) facilita a transferência de oxigênio para os tecidos do corpo humano. Ao fazer isso, promove a cicatrização de feridas e minimiza o tempo de recuperação típico dos pacientes. Nesta conjuntura, estritamente na medicina dentária, OHB indica a distribuição de oxigênio abrangente em pressões superiores a 1,4 atmosfera absoluta (ATA), geralmente em uma série de tratamentos. Esse tratamento requer que o paciente fique em uma câmara hiperbárica com pressão maior que a ambiente. Tem muitos usos, como tratamento de pacientes e cuidados com feridas, na medicina padrão e na medicina dentária.


Embora tenha vários usos específicos para a medicina dentária, a OHB é mais frequentemente usada para a prevenção de complicações durante a radioterapia. Sabe-se que aumenta efetivamente a oxigenação dos tecidos e, além disso, agiliza a cicatrização de feridas que feridas é especialmente significativa na doença periodontal e na fibrose submucosa oral. Estudos recentes sobre o papel da OHB no tratamento da fasceíte necrosante, deiscência da ferida após enxerto ósseo intraoral em pacientes não irradiados, osteorradionecrose da mandíbula e fibrose submucosa oral são cruciais para reconhecer o escopo futuro do impacto OHB em odontologia. Especificamente, a fasceíte necrosante é uma doença comedora de carne, pois a infecção comumente leva à morte de partes dos tecidos moles do corpo. Esta doença se espalha rapidamente e requer tratamento cirúrgico agressivo imediato e um desbridamento prolongado. Em alguns casos, é necessária uma amputação precoce. A deiscência da ferida, separação das bordas de uma incisão cirúrgica, exige que o médico limpe e desbride a lesão para retirar o tecido morto e infectado, o que amplifica o processo de cicatrização. O aspecto mais importante disso é acelerar o processo de cicatrização, o que evita complicações adicionais, como infecções do sítio cirúrgico. OHB tem o potencial de prevenir as seguintes complicações que coincidem com a fasceíte necrosante e deiscência da ferida.

A OHB tem uma utilização eficaz em várias lesões de tecido induzidas por radiação crônica. A profilaxia da osteorradionecrose resultante de uma doença dentária induzida por radiação teve uma taxa de resposta subjacente de 96%. A taxa de resposta geral para necrose de tecidos moles e cistite hemorrágica foi de 84%.


Osteorradionecrose


A osteorradionecrose (ORN) da mandíbula é comumente reconhecida como a morte do osso e do osso da mandíbula na região da cabeça e pescoço devido à diminuição da tensão de oxigênio-hipotensão, hipocelularidade e hipovascularidade. A osteorradionecrose é uma lesão óssea não cicatrizante e não séptica, na qual o volume e a densidade óssea não podem ser mantidos pelo tecido hipocelular, hipovascular e hipóxico, que não pode atender adequadamente às suas demandas metabólicas. À medida que o tecido mole se deteriora, o osso começa a ficar exposto. Saliva e outras entidades estranhas dentro da cavidade oral causarão contaminação cruzada, levando a infecção e complicações adicionais. Os sintomas de ORN incluem dor na boca, inchaço da mandíbula, hálito com mau cheiro, feridas na boca e dificuldade de abrir a mandíbula.


Em 2013, foi feito um estudo sobre OHB e osteorradionecrose mandibular durante as exodontias. Determinou-se que a OHB forneceu prevenção adequada em conjunto com extração dentária com penicilina demonstrou ter uma recuperação mais eficiente e mais duradoura em comparação com os pacientes tratados exclusivamente com penicilina. A sensibilidade ao tempo é fundamental - se o tratamento de OHB for administrado 2 semanas antes do tratamento dentário, surgem complicações em 1,5% a 4,2% dos pacientes. Se o tratamento for prolongado para seis meses antes do tratamento odontológico, o percentual de complicações aumenta para 15,8%. A OHB aumenta a tensão de oxigênio na região e promove a angiogênese, o desenvolvimento de novas células sanguíneas. O desenvolvimento de novas células sanguíneas leva diretamente à cicatrização de feridas. Quando uma ferida está começando a cicatrizar, os capilares angiogênicos brotam e invadem os ricos em fibrina que coagulam. Quando o coágulo é invadido, os receptores alfa v beta 3 são direcionados, os quais são necessários para a cicatrização da ferida.


Um protocolo de Marx foi criado para o tratamento de ORN dentro da mandíbula, que inclui três etapas críticas. O estágio I deste processo requer a configuração do nível OHB para 2,4 ATA por um total de 90 minutos. Após a conclusão de um terço da sessão, é necessário inspecionar a área-alvo para amolecimento do osso exposto e do tecido de granulação. Se o seguinte estiver presente, é sugerido fazer o acompanhamento com desbridamento não cirúrgico e acompanhamento com a adição de 10 sessões de OHB. O estágio II é necessário apenas se pouca ou nenhuma resposta for observada após as 30 sessões anteriores de tratamento. O estágio II requer ressecção periférica de osso não vital para sangrar margens ósseas, seguido por 10 sessões pós-operatórias de OHB. O estágio III recomenda a ressecção da mandíbula após 30 sessões ineficazes de OHB. Adicionar placas e pinos e cobrir o déficit de tecido mole ajudará a estabilizar a mandíbula. As 10 sessões subsequentes de OHB e 3 meses de tratamento são recomendados. Nesse ponto, a remodelação óssea pode ser concluída.


Casos pós-radioterapia


A terapia pós-radiação pode melhorar a qualidade de vida e aumentar a expectativa de vida média daqueles que sofrem de lesão do sistema nervoso central pós-radiação. Vários experimentos concluíram que a OHB de fato estimula melhorias nos resultados subjetivos, clínicos e radiológicos. Às vezes, a radiação como a OHB pode causar xerostomia ( boca seca) nas pessoas tratadas. A radioterapia, como a OHB, costuma danificar as glândulas salivares ao mesmo tempo que trata o problema diagnosticado. A xerostomia induzida por radiação é uma das morbidades mais comuns da radioterapia em pacientes com câncer de cabeça e pescoço. A conclusão mais importante é que a OHB geralmente ajuda a curar aqueles com diagnóstico de câncer de cabeça e pescoço, explicando por que a xerostomia costuma ser esquecida.


A alta concentração de radioterapia em conjunto com a quimiorradiação promove e acelera o dano às células do tecido e à vasculatura. OHB aumenta os níveis de oxigênio no tecido hipóxico, estimula a angiogênese e fibroplasias e é um tratamento eficaz e poderoso para feridas pós-operatórias em cirurgias de carcinoma oral, faríngea e laríngea. Em contraste, a OHB também demonstrou ajudar aqueles que sofrem de hipossalivação, uma hipofunção da glândula salivar. Estudos mostram que pacientes com hipossalivação também podem enfrentar complicações relacionadas à infecção respiratória ativa. Houve 60,4% dos 274 estudados enfrentando desafios associados à infecção respiratória aguda e hipossalivação, enquanto 35,5% dos 274 pacientes sofreram apenas de hipossalivação.


A OHB é considerada um tratamento eficaz entre aqueles que sofrem, pois tem o potencial de reduzir os custos de tratamento médico e odontológico e limitar os efeitos negativos da radiação entre aqueles que sofrem, melhorando assim a qualidade de vida do paciente.


Doença periodontal


A doença periodontal é uma condição inflamatória crônica da estrutura de suporte dos dentes. A causa mais comum de doença periodontal é o acúmulo de placa bacteriana. Se a placa não for removida, ela endurece formando cálculo e tártaro, o que eventualmente leva à doença periodontal. A doença periodontal afeta os tecidos moles e os ossos que sustentam os dentes. Vários experimentos mostraram que a OHB tem um benefício abreviado na redução da bolsa e na eliminação bacteriana em pacientes com periodontite crônica. OHB atua impedindo o crescimento de anaeróbios obrigatórios subgengivais e anaeróbios facultativos. Ao fazer isso, defende a cura do periodonto infectado.


Implantes dentários


Quando um dente fica muito danificado por um trauma ou cárie para ser reparado adequadamente, geralmente é recomendado que seja extraído da boca. Os implantes dentários tornaram-se um método cada vez mais popular de substituição dentária antes da extração. O implante é colocado cirurgicamente na maxila da mandíbula e retido durante a carga funcional como resultado da capacidade do osso de se integrar ao implante conforme o crescimento progride. A osseointegração é necessária para o implante se estabelecer de forma adequada, e para que ela seja bem-sucedida, deve haver biocompatibilidade relativamente alta entre o material do implante e o osso da mandíbula, qualidade adequada do tecido ósseo, técnica cirúrgica adequada e macro e microestrutura do implante. Se o paciente não atender a todos os padrões a seguir, OHB é um tratamento recomendado pois prepara o osso e o tecido adjacente para a recuperação do implante.


O surgimento de biofilmes na cavidade oral comumente leva a uma afluência de perda de tecido e degradação óssea. Como resultado, implantes dentários osseointegrados são usados ​​com a intenção de tratamento restaurador da cavidade oral. Esses implantes têm o potencial de fornecer novas superfícies para a formação de bactérias do biofilme. As infecções resultantes são difíceis de tratar com antibióticos. OHB é comumente conhecido por ser um meio seguro e eficaz de tratamento. Um estudo feito em 2012 exclamou que a administração de altas concentrações de oxigenoterapia tem uma correlação direta com o crescimento de tecidos mais saudáveis ​​e maior afinidade e integração osso-implante. No entanto, os resultados são mínimos levando à necessidade de OHB antes da colocação dos implantes, apenas afirmando sua eficácia após a colocação. Um estudo de 15 anos conduzido por Granstrom e colegas concluiu uma taxa de falha do implante de 13,5% em pacientes não irradiados e 53,7% em pacientes irradiados e 8,1% em pacientes irradiados recebendo OHB.


Reconstrução de mandíbula


A reconstrução oromandibular é uma cirurgia extensa com grandes benefícios quando concluída com sucesso. O principal motivo é melhorar a função e a estética, quando necessário. Os cirurgiões manipulam os enxertos ósseos autógenos para fornecer um arco substancial para se articular com a mandíbula superior, restaurando a fala da deglutição, mastigação e estética. À medida que os procedimentos progridem em dificuldade, a probabilidade de complicações aumenta. Uma mulher de 84 anos foi inicialmente diagnosticada com carcinoma de mucosa da cavidade oral direita. Durante a reconstrução após excisão segmentar da mandíbula, uma placa de titânio foi selecionada com base em vários fatores de risco. Após a operação, a placa ficou exposta no centro do queixo. Depois que várias outras soluções foram testadas, pode-se concluir que a OHB foi a única solução auspiciosa porque leva à epitelização da ferida.


Implantes dentários irradiados maxilofaciais


Os implantes dentários são raízes de dentes artificiais feitas de titânio, que têm a capacidade de reter vários tipos de dentes artificiais, como coroas, pontes e dentaduras. Esses implantes são ancorados no osso maxilar, onde o tecido ósseo se integra ao implante para formar uma base estável para o dente artificial. A rejeição do implante pode ser causada pelos efeitos de longo prazo na vascularização reduzida que compreende o local de implantação. A OHB pode melhorar a vascularização do tecido, aumentando assim a taxa de sobrevivência do implante, melhorando a osteointegração dentro dos pacientes.


Possíveis complicações


A complicação mais comum enfrentada na OHB é o barotrauma, uma lesão corporal devido a alterações barométricas ou ajustes significativos na pressão da água. A lesão atinge especificamente o ouvido médio e os seios da face devido à diferença de pressão entre a membrana externa e a membrana timpânica. Esses sintomas incluem, mas não estão limitados a, dor de ouvido, tontura e audição abafada. Se os ajustes de pressão não forem feitos, podem ocorrer derrames no ouvido médio, ruptura da membrana timpânica e complicações nos seios da face. Devido à íntima conexão entre os dentes e os seios da face, os dentistas frequentemente encontram fenômenos fisiológicos e patológicos resultantes do aumento drástico da altitude.


Complicações sinusais


Em consonância com a lei de Boyle, uma modificação significativa na pressão ambiental resulta em uma mudança inversa no volume, levando a um efeito significativo na cavidade sinusal. Quando a tuba auditiva é bloqueada, os óstios dos seios da face são indiretamente bloqueados. Quando a mudança de pressão excede essa capacidade, o barotrauma sinusal transpira. Se sucumbir ao envenenamento por monóxido de carbono durante OHB, a taxa de anormalidades sinusais de barotrauma é de 66,3%. É importante ter cautela para os pacientes com histórico de sinusite, otite média e / ou infecções respiratórias superiores, pois eles tendem a ter uma frequência maior de barotrauma sinusal. As cavidades nasais cooperam com as fossas nasais por meio de óstios e um longo ducto nos seios da face. Quando a abertura do óstio do seio que conecta a cavidade nasal ao seio é bloqueada, a pressão não é mais compartilhada igualmente entre eles. À medida que a pressão ambiente aumenta, ela é transmitida pela parede do seio e frequentemente leva à congestão vascular e edema da mucosa do seio. Se o limite elástico da mucosa do seio for ultrapassado, ocorrerá hemorragia.


Complicações ontológicas


Um estudo feito em 2015, por estudantes da Universidade de Medicina e Odontologia de Tóquio, no Japão, afirma as complicações com OHB no departamento de otorrinolaringologia. As complicações avaliadas como resultado da OHB foram otalgia, plenitude auricular, hipoacusia e zumbido. Em conclusão, é essencial que os médicos estejam atentos ao barotrauma da orelha média e interna como prováveis ​​complicações após OHB. Danos na cavidade sinusal podem resultar em danos às raízes da cavidade oral, visto que estão localizadas tão próximas. Danos às raízes frequentemente requerem procedimentos odontológicos extensos, como extrações, canais radiculares e cirurgias periodontais. A amputação da polpa como resultado de infecção e cárie no esmalte e dentina requer tratamento extensivo e pode ser prejudicial ao resto da cavidade oral se não for tratada adequadamente em tempo hábil.


Complicações oculares


A OHB aumenta a concentração de espécies reativas de oxigênio no sangue e nos tecidos como resultado do aumento da pressão de oxigênio. Isso geralmente é benéfico em relação a várias doenças, mas pode resultar em complicações oculares. Uma abundância de espécies reativas de oxigênio nos tecidos e ou deficiências na atividade antioxidante são contribuições frequentes para complicações oculares específicas, como catarata. A alta concentração de espécies reativas de oxigênio e as deficiências nas atividades antioxidantes têm a capacidade de contribuir para o ceratocone, um distúrbio ocular caracterizado pela dissipação e proeminência da córnea. Complicações como ceratocone são comumente agravadas pela exposição a outras espécies reativas de oxigênio durante a exploração de OHB.


Conclusão


A oxigenoterapia hiperbárica é um tratamento eficaz em medicina dentária, pois facilita o processo de cicatrização e agiliza a recuperação do paciente. Apesar das complicações potenciais que podem surgir, ele tem vários benefícios. A OHB geralmente funciona bem em conjunto com outros tratamentos.


Detalhamento sobre a pesquisa está disponível no artigo original aqui.

1 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Saiba mais :

  • Grey Facebook Ícone
  • Ícone cinza LinkedIn
  • Grey Instagram Ícone