• IBEPMH

Terapia de OHB no tratamento de casos severos de COVID-19

Atualizado: Mai 28


De acordo com levantamento feito pela equipe do Programa Naval Specialty Medical Center a hipoxemia progressiva é a principal causa de deterioração em pacientes com COVID-19, com taxa de mortalidade próxima a 60% em WuHan, na China. A Oxigenoterapia Hiperbárica (OHB) é uma terapia menos invasiva e foi utilizada na fase inicial em cinco pacientes graves com COVID-19 e apresentou um excelente resultado clínico.


Para a equipe do Programa Naval o efeito da OHB é melhor do que a técnica de ventilação mecânica e é sugerida para pacientes gravemente enfermos com o COVID-19 com expectativa de melhor eficiência do tratamento, redução da pressão médica e do risco de infecção, diminuindo assim a taxa de mortalidade de pacientes críticos.


Avaliação da efetividade da OHB em pacientes críticos com COVID-19


Cinco pacientes, 2 em estado críticos e três grave, apresentaram resposta consistente ao tratamento com OHB, como conta o diretor do Departamento de Oxigênio Hiperbárica no Hospital Geral de Remessas do Rio Wuhan Yangtze, Zhong Yangling. Dados de análise clínica dos cincos casos mostraram os seguintes resultados:

Os cinco pacientes que apresentavam sintomas de hipóxia progressiva tiveram a dor no peito e dispneia reduzidos após a primeira sessão de OHB. Depois da segunda sessão, os sintomas são basicamente aliviados. Há uma correção rápida da hipoxemia. A análise de gases no sangue arterial dos pacientes sob máscara de oxigênio (5 ~ 8L / min) antes do tratamento com OHB mostram PaO2 de 37, 65, 60, 78 e 68 mmHg. A tendência de saturação da artéria no sangue foi revertida imediatamente. E os índices de gases no sangue arterial foram recuperados significativamente. (Os gráficos detalhados estão no artigo original. Link no final deste artigo).


Outros benefícios da terapia foram a melhora significativa nos problemas gastrointestinais, redução das dores de cabeça e melhora no estado mental, além da volta do apetite dos pacientes. Índice de coagulação do distúrbio reativo da circulação periférica, índices refletindo a função hepática e lesão miocárdica também apresentaram melhoras.


O tratamento com OHB mostrou uma ação positiva nas inflamações pulmonares dos cinco pacientes.


O mecanismo da oxigenoterapia com OHB


A diferença entre oxigenoterapia com OHB e oxigenoterapia com pressão normal é, em geral, o uso da inalação de oxigênio a alta pressão, que melhora total e substancialmente a eficiência do transporte de oxigênio do exterior para as células teciduais inteiras. O mecanismo da OHB é o de tirar proveito das características físicas do gás, para aumentar a pressão parcial do oxigênio no ambiente através de uma grande amplitude e reduzir a demanda por troca de oxigênio e transporte no corpo para obter o melhor efeito da oxigenoterapia. As vantagens comparadas com tecnologia de oxigenoterapia por pressão atmosférica são:


Em primeiro lugar, é mais efetiva que a inalação normal de oxigênio sob pressão para superar a inflamação do tecido pulmonar. A taxa de difusão e a distância do oxigênio de alta pressão é maior que a do oxigênio de pressão normal, que supera os obstáculos das trocas gasosas causadas pelo espessamento da inflamação do tecido pulmonar devido à maior solubilidade. A quantidade de oxigênio dissolvido no sangue é várias vezes mais a do oxigênio atmosférico, que também supera a influência dos gases na circulação sanguínea.


Em segundo lugar, é mais eficaz aumentar a pressão parcial de oxigênio do que a do índice de oxigenação por ventilação mecânica. Na medicina respiratória e em cuidados intensivos, a eficiência do oxigênio no suporte respiratório clínico utiliza índice de oxigenação como avaliação final (é a proporção de pressão de oxigênio na artéria para pressão parcial de oxigênio no gás inalado [IO = PaO2 / FiO2 (pressão do ar / 760)]). O índice com a pressão parcial de oxigênio arterial como alvo terapêutico, a fórmula de conversão é [PaO2 = IO × FiO2 (pressão do ar / 760)].


A técnica de ventilação mecânica melhora a PaO2 aumentando o índice de oxigenação (IO). O FiO2 da OHB pode ser aumentada em 1,6 ~ 2,8 vezes. Pode-se prever que a PaO2 pode ser aumentada em 1,6 ~ 2,8 vezes com o IO dos pacientes com OHB inalterado.

Os efeitos do IO antes do tratamento em 5 pacientes foram verificados. Em um caso, a OHB foi usada para reverter a hipóxia com base em nenhum efeito da ventilação mecânica não invasiva por 2 dias. A OHB tecnologia para pacientes com ventilação mecânica invasiva está madura e tem sido rotineiramente utilizado na OHB clínica. Por isso, foi sugerido que os princípios de seleção clínica são:


(1) o tratamento com OHB é preferido quando o índice de oxigenação dos pacientes é significativamente reduzido e natural a respiração é clara e não se espera que a ventilação mecânica aumente índice de oxigenação em 1,5 vezes;


(2) Quando a melhoria do índice de oxigenação sob ventilação mecânica é menor que o dobro da respiração natural, sugere-se aumentar o tratamento diário com OHB com base em ventilação mecânica.


Terceiro, mais eficaz que a ECMO (Oxigenação por membrana extra-corpórea) na melhoria do oxigênio das células dos tecidos. Embora a ECMO tenha ultrapassado as trocas de ventilação e gás funções dos pulmões e pode tornar a Hb completamente saturada, não é tão bom como o tratamento o OHB no suprimento de oxigênio do lado do tecido. O oxigênio dissolvido no sangue excedeu a quantidade transportada por Hb e a distância de difusão aumentou bastante, o que pode superar relativamente a periferia obstáculos à circulação causados ​​por danos pré-hipóxicos ou / e infecciosos, inflamação e melhorar a eficiência e quantidade absoluta de tecido celulares para obter oxigênio.

Em quarto lugar, não há uma interferência séria da ventilação mecânica para o trato respiratório na respiração natural. A OHB significa que o paciente está sob alta pressão. Diferente da ventilação mecânica, tem um grande efeito no trato respiratório, precisa prestar atenção e ser tratado por médicos e enfermeiros o tempo todo. Caso contrário, é fácil ter várias complicações, como lesões nas vias aéreas.


Em quinto lugar, não há conflito com os atuais meios de tratamentos críticos e a terapia com o OHB tem um papel claro na melhoria dos casos COVID-19, além de anticorpos e vacinas, não há medicamento específico. Todo procedimento clínico é basicamente tratamento sintomático e de suporte. A OHB não é o tratamento etiológico de COVID-19 e sim o tratamento sintomático da hipóxia em pacientes com COVID-19, e um complemento ao tratamento com oxigênio.


Além da OHB uma vez ao dia por 95 a 120 minutos, os pacientes também receberam o tratamento abrangente existente na UTI, incluindo ventilação mecânica. E os médicos da UTI são responsáveis ​​pelo tratamento abrangente diário dos pacientes graves. Não há conflito em procedimentos utilizados, pelo contrário, pode fornecer um melhor suporte para outros tratamentos.


Indicações claras de OHB para o tratamento sintomático de hipóxia


A OHB é uma oxigenoterapia de rotina para hipóxia refratária clínica e tem sido amplamente utilizada há mais de meio século desde a primeira vez no suporte de uma cirurgia torácica em 1956. Na China, os hospitais de grau A geralmente são equipados com câmaras de oxigênio, e muitas terapias com OHB são realizadas diariamente para diversas doenças. A OHB tem uma ampla gama de indicações para os casos de hipóxia generalizada e local.


Está claro o diagnóstico de anoxia em pacientes graves com COVID-19. As manifestações clínicas destes pacientes com hipóxia proeminentes e hipoxemia são óbvias. Em todos os estudos publicados sobre COVID-19 consta o desenvolvimento de hipoxemia como uma manifestação da doença.


Nos casos graves, a OHB foi usada para a correção da anoxia e os efeitos obtidos com os cincos pacientes na China foram muito significativos e mostraram a interrupção da deterioração da hipóxia logo após a primeira sessão com OHB.A eficácia da oxigenoterapia hiperbárica nesses cincos casos não foi acidental e sim comprovada em resumos científicos dos seus efeitos no tratamento da hipóxia intratável e refratária em várias doenças ao longo dos anos. A superioridade da OHB na solução de hipóxia grave em pacientes com COVID-19 é claramente científica.


Segurança da OHB para oxigenoterapia em casos graves de pacientes com COVID-19


A OHB foi padronizada e amplamente utilizada clinicamente por quase um século. Sua segurança médica essencial não se repete nos casos de COVID-19. O foco está nos riscos de prevenção e controle de doenças (CDC) apresentados por agentes infecciosos classe A. O tratamento da OHB requer equipamentos e procedimentos especiais e os pacientes precisam ser transferidos para a câmara de oxigênio hiperbárica. O Hospital Geral Wuhan Changjiang formou um método próprio que pode ser aprimorado.


O risco de infecção por microrganismos patogênicos na câmara não é mais alto que a enfermaria


Em primeiro lugar, o risco de realizar CDC na câmara hiperbárica de oxigênio é o mesmo que o risco de CDC na enfermaria. A diferença entre o microambiente da câmara de oxigênio hiperbárico e da enfermaria de infecção é o radônio. A equipe médica é exposta ao microambiente da câmara de oxigênio sob alta pressão, a intensidade superficial da pressão é igual e a diferença de pressão não pode ser sentida. O equipamento de proteção também não sofre de deformação "compressiva". O processo de tratamento médico na cabine hiperbárica não aumentou o risco de CDC em comparação com a mesma operação na enfermaria de infecção.


A câmara hiperbárica é um ambiente eólico completamente novo


No processo de OHB, medidas de “ventilação” são geralmente adotadas. A válvula de pressão e a válvula de alívio de pressão são abertas ao mesmo tempo e a quantidade de entrada de ar é igual à quantidade de saída de ar, garantido que a intensidade da pressão na cabine seja constante e que eliminação de impurezas dentro da cabine é atualizada continuamente. As fontes de ar são filtradas, pressurizadas e despressurizadas por um compressor de ar sem óleo, dispositivo de purificação avançado para garantir fontes de ar limpas.


O ar respirado por médicos e pacientes é relativamente separado dentro da cabine


O gás exalado do paciente existe principalmente na linha de exaustão de oxigênio e flui unidirecionalmente para fora. O ar que a equipe médica respira na câmara não atravessa o gás que o paciente respira. Isso é melhor que a enfermaria de infecção. A equipe médica usa cabine independente para pressurizar, evitando que o ar da cabine do paciente, considerada área contaminada, entre no equipamento de proteção. O processo de descompressão é o oposto, portanto não há risco de CDC.


As medidas do CDC da enfermaria de infecção são usadas nas câmaras hiperbáricas e nenhuma avaliação adicional é necessária


A câmara hiperbárica é gerenciada como enfermaria para pacientes com novo coronavírus. O processo de desinfecção é realizado sob condições normais de pressão e o método e efeito de desinfecção são os mesmos.


O processo de pressurização é com "sistemas de ar fresco", o ar que médicos e pacientes respiram é relativamente independente e a possível a poluição do gás é menor que a das enfermarias infectadas. Além disso, os requisitos para as enfermarias de controle de doenças e infecção são os mesmos para a câmara hiperbárica e o manejo é constante.


Medidas criadas e praticadas pelo Departamento de Oxigênio Hiperbárico para controlar a infecção


O Departamento de Oxigênio Hiperbárico é uma área para o tratamento de pacientes infectados. Existem regras e regulamentos claros para a definição da área de isolamento da ala e a proteção do pessoal sob pressão normal. O foco do controle de infecção é purificar e esterilizar os gases de escape da saída de oxigênio do sistema BIBS e saída de descompressão da câmara da respiração do paciente. Foram adotas medidas de controle rigorosas na área de escape para evitar o possível impacto de gás expirado do paciente nas atividades externas na área efetiva. Os gases de escape foram filtrados pela solução desinfetante para impedir ainda mais a poluição dos gases de escape nos ambientes e causar a propagação do vírus.

Avaliação de viabilidade da oxigenoterapia com OHB no Hospital Huoshenshan para COVID-19


A discussão acima mostra que é óbvio que a OHB pode ser usada em pacientes com COVID-19 principalmente no tratamento da hipóxia, ponto chave no quadro grave da doença. No entanto, o hospital Huoshenshan não está equipado com câmaras hiperbárica.


As seguintes sugestões preliminares foram feitas sobre a viabilidade e progresso das instalações existentes do Hospital Huoshenshan e o tratamento mais OHB.


Passo 1. O equipamento portátil de oxigênio de alta pressão é usado em uma pequena área e pode ser formado um processo básico de tratamento adaptado à situação real do Hospital Huoshenshan. Além da câmara hiperbárica de oxigênio também tem uma câmara de mergulho para o tratamento doença descompressiva. Uma universidade militar em Wuhan está equipada com uma câmara de mergulho móvel (para duas pessoas) e uma câmara hiperbárica portátil de oxigênio. Portanto, a oxigenoterapia hiperbárica pode ser realizada em área aberta do hospital. Esta parte da área é controlada de acordo com a área contaminada e atende ao CDC. Recomenda-se que o equipamento e operador sejam transferidos para o Hospital Huoshenshan e realizar o tratamento com OHB para 5 pacientes gravemente enfermos com condições semelhantes.


Os procedimentos básicos de tratamento e os procedimentos do CDC incluem:


(1) tratamento OHB: 1.6ATA / 120 minutos, inalação contínua de oxigênio. Prevê-se um efeito de oxigenoterapia de 1,6 vezes o índice de oxigenação, superior à ventilação mecânica, a uso razoável de oxigênio atmosférico e o efeito terapêutico geral é significativo.


(2) processo CDC de tratamento com OHB: O processo CDC de oxigenoterapia hiperbárica no Hospital Geral de Transporte Wuhan Changjiang demonstra ser viável a tempo e pode ser otimizado e ajustado de acordo com o layout real do Hospital Huoshenshan.


(3) plano de tratamento de emergência da OHB: a OHB usa 1.6ATA, a profundidade de um mergulho é de cerca de seis metros e não é necessária a descompressão. É possível retirar da câmara hiperbárica um paciente que esteja passando mal em 3 minutos. Só precisa preparar o atendimento próximo à câmara e, em seguida, levá-lo a UTI.

Passo 2. Concentre o equipamento portátil de oxigênio hiperbárico dentro e fora do exército para popularizar tanto a oxigenoterapia com OHB quanto possível

Após pesquisar o sistema móvel de alta pressão capaz de tratar a doença descompressiva e combinar o número de equipamentos militares é possível aumentar para 144/dia o tratamento com OHB.


Passo 3. Construção da câmara de oxigênio hiperbárico em Huoshenshan

A construção de um novo sistema de câmara hiperbárica de oxigênio começou no Hospital Huoshenshan. Após levantamento de fornecedor de produtos hiperbárico é possível instalar o equipamento em 15 dias.


Texto original aqui

4 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Saiba mais :

  • Grey Facebook Ícone
  • Ícone cinza LinkedIn
  • Grey Instagram Ícone