• IBEPMH

OHB E COVID-19: hipóxia, inflamação e resposta imune

Atualizado: Mai 28

A Associação Argentina de Medicina e Pesquisa Hiperbárica (AAMHEI) compartilha o artigo “COVID-19: Hipóxia, inflamação e resposta imune”, um documento que aborda o potencial papel da Oxigenoterapia Hiperbárica (OHB).


Os relatórios mais recentes sobre COVID-19 mostraram que as manifestações clínicas da infecção são febre, tosse e dispneia, com evidências radiológicas de pneumonia viral. Aproximadamente 15 a 30% dos pacientes desenvolvem síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA).


Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as diretrizes das recomendações gerais para o tratamento da SDRA incluem o manejo de pacientes com hipoxemia respiratória refratária, para os quais são sugeridas como recurso terapêutico membranas extracorpóreas de oxigenação.


O vírus pode causar a morte por insuficiência respiratória por hipoxemia progressiva, insuficiência refratária a múltiplos órgãos ou complicações como insuficiência cardíaca isquêmica. No entanto, a necessidade de membranas de oxigenação extracorpórea é uma decisão complicada quando o recurso é limitado à alta demanda por essa pandemia altamente transmissível.


Dada a emergência de pacientes com COVID-19 e os recursos limitados de oxigenação extracorpórea, o fornecimento de uma câmara hiperbárica para essas pessoas infectadas com insuficiência por hipoxemia respiratória poderia ser usado em casos que não apresentassem contraindicações pulmonares. Assim, a oxigenoterapia hiperbárica pode contribuir para a recuperação da fase hipóxica aguda da doença, reduzindo a fase inflamatória, promovendo a recuperação e talvez acelerando os tempos de liberação dos leitos necessários para auxiliar esses pacientes durante a pandemia.


Sobre o vírus


COVID-19 é a doença infecciosa descoberta mais recentemente causada pelo coronavírus e foi declarada uma emergência pandêmica e global pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Os relatórios mais recentes, feitos em Wuhan, o epicentro do surto, mostraram que as manifestações clínicas da infecção são febre, tosse e dispneia com evidência de pneumonia viral.


Tomografia computadorizada dos pulmões em pacientes com COVID-19 diagnosticaram sintomas da doença progressiva do espaço aéreo que representa radiologicamente a barreira de difusão de oxigênio. É assim que a hipóxia desempenha um papel significativo no progresso da doença, que evolui em até 10 semanas, com o pico aproximado no 10º dia em pacientes que conseguem se recuperar de insuficiência de hipoxemia respiratória.


Quando COVID 19 infecta o trato respiratório superior e inferior, causa uma leve ou superior síndrome respiratória com consequente liberação de citocinas inflamatórias, incluindo interleucinas (IL) - 1b e IL-6. A ligação de COVID-19 ao receptor Toll-like (TLR) causa a liberação de pro-IL-1b, que é clivada pela caspase-1, seguida pela ativação do inflamassoma com a produção de IL-1b como principal mediador da destruição, febre e fibrose.


Estudos recentes detectaram que a supressão das interleucinas pró-inflamatórias IL-1 e IL-6 tiveram efeitos terapêuticos em muitas doenças inflamatórias, incluindo infecções virais. Além disso, a supressão da IL-1b pela IL-37 no estado inflamatório devido a COVID-19 pode ter um novo efeito terapêutico de uma maneira ainda desconhecida, mas muito promissora. O mesmo ocorre com a IL-38, que também é estudada como estratégia de tratamento para esta doença.


Conhecer e controlar a resposta imune gerada e a cascata inflamatória que desencadeia o coronavírus é essencial para o controle e eliminação da infecção. Um ajuste inadequado dessa resposta imune no momento da infecção pode resultar em imunopatologia, inflamação e alteração nas trocas gasosas pulmonares levando a hipóxia.


A hipóxia sistêmica e pulmonar alimenta a inflamação exacerbada, uma vez que ocorre disfunção dos estimuladores da resolução da inflamação (em complexo inflamassoma), como as mitocôndrias que são os produtores de reativos necessários para regular o processo inflamatório e fortalecer a depuração de noxas através da explosão respiratória mediada por macrófagos e monócitos na primeira linha de defesa.


Potoencial papel da Oxigenoterapia Hiperbárica


A oxigenoterapia hiperbárica produz um aumento na oxigenação pulmonar, onde o alvéolo pulmonar é o órgão de contato direto e o principal destinatário da hiperóxia. A OHB promove uma troca alveolar e a pressão parcial de oxigênio aumenta e é muito útil, exceto em pacientes com doença crônica pulmonar grave onde a troca de oxigênio é interrompia e existe o risco de desenvolver hipercapnia.


A OHB não altera a função pulmonar. Mesmo em um estudo prospectivo em saúde individual, não houve alterações significativas no volume expiratório forçado (VEF) e no fluxo respiratório forçado (FEF). Isso mostra que a OHB é segura para a função pulmonar, mesmo que realizado cronicamente.


Dr. Paul Harch sugeriu que a doença causada pelo COVID-19 nos pulmões é semelhante patologia em vítimas da gripe espanhola de 1918 (leia aqui). Naquela época era tratada a hipoxemia causada pela gripe pelo Dr. Cunninghan, no entanto não havia respiradores, e mesmo assim o aumento na oxigenação contribuiu significativamente para resolver a insuficiência respiratória hipoxêmica nos pacientes.


Embora a resolução da hipóxia seja um importante fator fisiopatogênico no desenvolvimento da doença, o que o Dr. Cunningahn não sabia na época é que a OHB não apenas contribui para a oxigenação dos tecidos nos níveis pulmonar e sistêmico. A hiperóxia também tem um importante efeito anti-inflamatório. A OHB reduz a produção e liberação de citocinas pró-inflamatórias por neutrófilos e monócitos

Estudos revelam os efeitos da oxigenação hiperbárica na produção de citocinas. Esta terapia aumenta a produção de FGF e a síntese de colágeno e diminui interleucina 1 (IL-1), interleucina 6 (IL-6) e fator alfa de necrose tumoral (TNF alfa).


Os efeitos da transformação do fator de crescimento beta 1 (TGFβ1) e do crescimento derivado de plaquetas fator (PDGFβ) são maiores com OHB. Quanto ao desenvolvimento de inflamação crônica, a ativação do Toll-Like no sistema de receptores (TLR) contribui para a manutenção da resposta inflamatória.

A Oxigenação Hiperbárica diminui a expressão de TLR, as vias de sinalização de NF-kB e a expressão dessas plataformas moleculares em diferentes tecidos. Além disso, o oxigênio hiperbárico pode aumentar a resposta imune celular adaptativa de células mononucleares do sangue periférico infectadas pelo vírus HIV-1 (vírus da imunodeficiência), através do aumento de proteínas que podem inibir a replicação viral.

Dada a emergência de pacientes com COVID-19 e as limitações extracorpóreas de recursos de oxigenação, a câmara hiperbárica para pacientes infectados que sofrem de insuficiência hipoxêmica respiratória pode ser usada em casos sem contraindicações pulmonares. Além disso, poderia diminuir a fase inflamatória e talvez acelerar o período de recuperação e liberação dos leitos necessários para ajudar esses pacientes durante a pandemia.


Estudos adicionais são necessários e as câmaras hiperbáricos devem ser operadas por profissionais médicos qualificados, que podem realizar controle confiável. A OHB contribuiria significativamente para reduzir a mortalidade, acelerando os tempos de recuperação de pacientes que sofrem da pandemia, otimizando os recursos de saúde e reduzindo custos de tratamento.


Leia o artigo completo aqui.

7 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Saiba mais :

  • Grey Facebook Ícone
  • Ícone cinza LinkedIn
  • Grey Instagram Ícone