• IBEPMH

Anvisa estuda alterar RDC nº 50/2002 aplicável às câmaras hiperbáricas monopacientes


Uma importante mudança na Resolução da Diretoria Colegiada nº 50, de 21 de fevereiro de 2002 (RDC nº 50/2002), aplicável às câmaras hiperbáricas monopacientes, que vem sendo discutida na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).


A agência reguladora estuda a possibilidade de aumentar as distâncias mínimas para as câmaras hiperbáricas monopacientes, de 80 cm para 120 cm. Essa revisão se refere à Parte II do Regulamento Técnico Anexo à RDC nº 50/2002, que inclui: tabelas de unidade funcional; prestação de atendimento de apoio ao diagnóstico e terapia; Atividade nº 4.14 - Oxigenoterapia Hiperbárica; Unidade/Ambiente - Sala de terapia individual/ câmara hiperbárica para 1 paciente com área de comando acoplada à câmara.


Preocupados com os impactos negativos que a alteração pode trazer à clínicas que prestam o atendimento, sobretudo por inviabilizar a utilização das instalações físicas como são hoje e demandar altos custos com eventuais reformas e demais adaptações, preparamos uma notificaçação para ser encaminhada à Anvisa. Nela, apresentamos os argumentos iniciais em favor das atuais determinações de distâncias, de 80 cm, previstas na RDC nº 50/2002.


Convidamos todos os profissionais da área de medicina hiperbárica a também assinar a notificação e se dirigir à Anvisa em oposição à pretendida alteração de distâncias, encorpando o movimento de players que desejam a manutenção da atual resolução.


Para facilitar e agilizar o processo, disponibilizamos o documento de defesa editável aqui. Basta baixar o arquivo, alterar os dados grifados e encaminhar para os contatos descritos.

166 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Oxigenoterapia Hiperbárica como tratamento eletivo

Artigo do diretor de Programas de Cicatrização de Feridas na Escola de Medicina de Washington, John P. Kirby. Os tratamentos com Oxigenoterapia Hiperbárica (OHB) podem ter surgido de emergências como