• IBEPMH

OHB como adjuvante à terapia padrão no tratamento de úlceras diabéticas no pé

Atualizado: Jul 13

Um centro médico na cidade de Kaohsiung,Taiwan com apoio da Fundação Médica Chang Gung realizou um estudo prospectivo e duplo-cego com 54 pacientes com úlcera diabética no pé de Wagner grau II-IV. Os participantes foram randomizados para receber terapia com oxigenoterapia hiperbárica (OHB) juntamente com a terapia padrão (grupo H; n = 28) ou terapia padrão sozinha (grupo S; n= 26).

Durante 6 semanas, eles receberam 6 sessões por semana e foram acompanhados por 1 ano. Os resultados foram medidos em termos de cicatrização e necessidade de amputação, enxerto ou desbridamento. As variáveis paramétricas contínuas foram analisadas pelo teste t de Student não pareado e as variáveis categóricas pelo teste do qui quadrado.

As úlceras diabéticas em 78% dos pacientes do grupo H cicatrizaram completamente sem qualquer intervenção cirúrgica, enquanto nenhum paciente do grupo S cicatrizou sem intervenção cirúrgica (P = 0,001). 2 pacientes do grupo H necessitaram de amputação distal, enquanto no grupo S, três pacientes foram submetidos à amputação proximal.

Este estudo mostra que a OHB é um adjuvante útil da terapia padrão e é uma modalidade de tratamento melhor se combinada com tratamento padrão em vez de tratamento padrão sozinho para o tratamento de úlceras nos pés diabéticos.

Introdução

Atualmente, o diabetes é um problema de saúde global, produzindo um grande ônus econômico para os pacientes e os cuidados com a saúde. Fora da incidência relatada, 19-35% das úlceras diabéticas não cicatrizam e quase 10-20% progridem para amputação dos membros inferiores. Portanto, apesar do tratamento cuidadoso com várias modalidades, como desbridamento, alívio da pressão e curativos, muitas úlceras nos pés permanecem não cicatrizantes e exigem novas estratégias de tratamento, como terapia de ultrassom, estimulação elétrica, uso de fatores de crescimento, tecidos de bioengenharia, terapia negativa de feridas e hiperbárica oxigenoterapia além de terapias convencionais.

Pacientes diabéticos desenvolvem úlceras nos pés por causa de múltiplos fatores. Idade avançada, sexo masculino, duração de diabetes, obesidade, neuropatia periférica, doença vascular periférica, controle glicêmico deficiente e trauma no pé aumentam a probabilidade de desenvolvimento de úlceras nos pés em pacientes diabéticos.

A hipóxia da ferida representa o mais forte fator de risco para feridas não cicatrizadas em pacientes diabéticos. O risco de amputação é maior em pacientes diabéticos que apresentam esse tipo de úlcera não cicatrizante do que na população não diabética.

Na OHB, os pacientes respiram 100% de oxigênio por um período de tempo especificado em uma câmara pressurizada a uma pressão maior que a pressão atmosférica ao nível do mar. Causa aumento do conteúdo de sangue e oxigênio nos tecidos hipóxicos, o que mantém a integridade e a função celular. Também possui atividade antimicrobiana devido à maior mobilidade e atividade bacteriofágica dos leucócitos.

Este estudo avaliou a eficácia da OHB como adjuvante da terapia padrão e compará-la à terapia padrão sozinha com base na cicatrização.

Material e Métodos

O público selecionado para o estudo foi: pessoas acima de 18 anos, com úlcera de pé de grau II-IV não cicatrizada por pelo menos 4 semanas. Todos foram submetidos a pressão parcial transcutânea de oxigênio (TcPO 2) e avaliados quanto a qualquer contraindicação à OHB.

Os participantes foram alocados foram alocados aleatoriamente no tratamento padrão + OHB (grupo H) ou tratamento padrão (grupo S), utilizando um método de aleatorização por blocos permutados com tamanho de bloco múltiplo de 10.

O técnico da HBOT obteve o tratamento alocação através de um sistema de randomização automatizado baseado na Internet. Os pacientes e os pesquisadores estavam cegos para o tratamento alocado para os grupos de estudo, enquanto o técnico da OHB, responsável pelo controle da câmara hiperbárica de oxigênio, não estava cego.

Pacientes com pneumotórax não tratado, história prévia de cirurgia torácica, cirurgia vascular, angioplastia, cirurgia da orelha, insuficiência cardíaca congestiva, angina instável, sinusite crônica, traumatismo grave do tímpano, artrite grave, infecção do trato respiratório superior, doença pulmonar obstrutiva crônica, convulsões, episódios hipoglicêmicos ou estado febril e pacientes em uso de corticosteróides, anfetamina, catecolamina ou hormônio tireoidiano foram excluídos do estudo. E grávidas também não participaram da pesquisa.

Acompanhamento

O tratamento padrão incluiu a manutenção de níveis ideais de glicose, curativos diários, dependendo do tipo de ferida (seca, úmida ou infectada), curativo simples de gaze, alginato ou sitosterol, curativos de colágeno / celulose oxidada, desbridamento local à beira do leito ou em sala de cirurgia, além de adequado nutrição e alívio de pressão, bem como amputação como e quando indicado. O controle da infecção foi alcançado por acompanhamento clínico e antibiograma de cultura de amostra obtida cirurgicamente para determinar a terapia antibiótica apropriada.

No grupo H, a terapia padrão foi suplementada com tratamento com oxigênio hiperbárico administrado a uma pressão de trabalho de 2,4 ATA por 90 min, enquanto em todos os pacientes que foram randomizados para o Grupo S foram mantidos em ar comprimido a 0,3 ATA e os pacientes permaneceram na câmara para lembrar o tratamento com placebo, respirando normalmente. No final do tratamento, uma ventilação aprimorada foi administrada por um período muito curto para estimular a superfície e a câmara foi aberta. Cada paciente recebeu um ciclo de tratamento de 6 sessões por semana, até um período de 6 semanas, para um total de 36 sessões. Após a conclusão da fase de tratamento por 6 semanas, os pacientes entraram na fase de acompanhamento.

Definição de resultados

Os resultados foram definidos como:

1. Fechamento completo da ferida sem qualquer intervenção cirúrgica;

2. Foi necessário enxerto cirúrgico ou retalho;

3. Foi necessária amputação distal ou proximal;

4. O desbridamento cirúrgico operatório foi realizado para obter o fechamento da ferida;

5. Nenhuma alteração na condição da ferida.

Os resultados foram observados todas as semanas durante a fase de tratamento e as primeiras 6 semanas da fase de acompanhamento e depois no intervalo de 3 meses durante um ano. Ambos os grupos de estudo foram comparados em relação à cicatrização de feridas, necessidade de amputação e intervenções cirúrgicas.

Úlcera, quando completamente coberta por tecido epitelial e persistentemente permaneceu até a próxima visita ser considerada curada. Considerou-se que a úlcera Wagner grau IV estava curada, quando a gangrena se separou completamente e a úlcera subjacente foi completamente coberta por tecido regenerativo epitelial. Caso o paciente necessitasse de amputação maior (acima do tornozelo), a úlcera era considerada não cicatrizada. A decisão de amputação foi tomada pelo cirurgião vascular se algum dos critérios mencionados abaixo fosse atendido:

a. Infecção profunda persistente envolvendo ossos e tendões;

b. Risco contínuo de infecção sistêmica grave relacionada à ferida;

c. Incapacidade de suportar peso no membro afetado e dor causando incapacidade grave.

Terapia com OHB

Múltiplas modalidades são praticadas para promover a cura em pacientes com úlcera diabética, mas a OHB pode ser útil quando essas falham ou não estão disponíveis. A sua eficácia sido defendida por vários ensaios clínicos. Observou-se que a OHB estimula a angiogênese e a produção de proliferação de fibroblastos e colágeno, conduzindo a um aumento da resistência à tração da ferida.

A alta tensão de oxigênio (≥30-40 mmHg) na OHB faz com que as enzimas superóxido atuem mais rapidamente nas bactérias aeróbicas e anaeróbias, demonstrando assim os efeitos bactericidas e bacteriostáticos. Além disso, a OHB demonstrou ter efeitos sinérgicos com muitos antibióticos como aminoglicosídeos, trimetoprim, nitrofurantoína e sulfisoxazol.

Durante a oxigenoterapia hiperbárica, ocorre vasoconstrição hiperóxica que leva à redução da pressão capilar e aumento da permeabilidade vascular, resultando em menor transferência de fluido transcapilar e aumento na reabsorção extravascular de fluido, o que reduz o edema nas extremidades inferiores.

É necessário um suprimento adequado de oxigênio na área da úlcera para sua cura. O fluxo sanguíneo arterial local e a oxigenação da pele podem ser refletidos de maneira não invasiva pela medida da TcPO 2 .

A medição da TcPO 2 durante a inalação de oxigênio puro na OHB foi usada para selecionar o paciente para OHB e um aumento significativo na TcPO 2 é um bom preditor de efeitos benéficos da OHB.

O estudo descobriu que a necessidade de amputação é menor em pacientes que apresentaram valores basais de TcPO 2 > 22 mm Hg e cujo TcPO 2 aumentou para três vezes os valores basais após terapia com oxigênio hiperbárico, porém sem diferença estatisticamente significante ( P= 0,102) foi observado como o tamanho da amostra era pequeno, portanto, recomenda-se que um estudo maior com tamanho de amostra grande seja necessário para fazer recomendações mais precisas.

Para avaliar a gravidade das úlceras nos pés diabéticos, a classificação de Wagner é comumente usada, embora seja criticada por não ter sensibilidade e especificidade, por não levar em consideração a diferença entre úlcera nos pés diabética neuropática e vasculopática.

Esforços são feitos para fornecer diretrizes sobre o uso da OHB, muitos confiam fortemente na perspicácia clínica em vez da TcPO2 medição para determinar que um paciente pode ser beneficiado com OHB.

Na pesquisa, as úlceras foram classificadas de acordo com a classificação de Wagner e ambos os grupos de tratamento foram semelhantes em relação aos graus de úlcera. No entanto, houve uma alta prevalência de fumantes no grupo OHB, que é um fator de risco prejudicial para a cicatrização de feridas. Apesar desse fator de risco, os pacientes do grupo H se saíram bem em relação aos do grupo S, mostrando o efeito benéfico da OHB na cicatrização de feridas.

Nenhuma grande amputação ocorreu no grupo OHB, enquanto três pacientes no grupo S tiveram que sofrer amputações proximais, embora o presente estudo não tenha sido desenvolvido para detectar a superioridade da OHB em relação ao tratamento padrão. Todas as amputações ocorridas apresentavam úlceras grau IV de Wagner.

No grupo H, a cicatrização completa da úlcera foi significativamente mais rápida quando comparada ao grupo S. Dados semelhantes em outras pesquisas onde mostra que a OHB causa uma melhora na taxa de cicatrização completa em um ano de acompanhamento.

Resultados

Segundo o estudo, o tratamento com OHB teve um resultado oito vezes melhor que o tratamento padrão. Foi observado que a OHB é útil como terapia adjuvante do tratamento padrão na cicatrização de úlceras nos pés diabéticos com efeitos colaterais limitados e segurança relativa e é a melhor modalidade de tratamento se combinada com a terapia padrão e não apenas como tratamento padrão. Leia o artigo original aqui.

2 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Saiba mais :

  • Grey Facebook Ícone
  • Ícone cinza LinkedIn
  • Grey Instagram Ícone