• IBEPMH

O maior centro de tratamento hiperbárico do mundo realiza estudo em paciente com COVID-19

Atualizado: Jun 9

O Centro Sagol de Medicina Hiperbárica e Pesquisa no Shamir Medical Center em Be'er Ya'akov, em Israel, iniciou um ensaio clínico para estudar o tratamento de pacientes com COVID -19 com o uso Oxigenoterapia Hiperbárica (OHB).

A doença de coronavírus causada por COVID-19 é uma pandemia em curso e embora a taxa de mortalidade geral seja baixa, os pacientes que desenvolvem Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) apresentam uma mortalidade alta, entre 61% a 90%.

A SDRA COVID-19 é diferente porque progride rapidamente, gerando insuficiência respiratória e fibrose pulmonar. O mecanismo disso tudo ainda não está claro, mas as evidências apontam para a direção de uma tempestade aguda de citocinas, que inclui: IL-2, IL-7, GCSF, InterferonGamma, TNF-alfa, proteína quimioatraente de macrófagos. O mau prognóstico inclui altos níveis de IL-6 e ferritina.

O tratamento com (OHB) inclui a respiração de oxigênio a 100% em pressões superiores a 1 atmosferas absolutas (ATA), aumentando a quantidade de oxigênio dissolvido no plasma e nos diferentes tecidos. Já existem relatos de uma série de casos de 5 pacientes graves com COVID-19 tratados com 3-8 sessões de OHB, além da terapia padrão. Em todos os casos, eles houve aumento da saturação de oxigênio, teor de oxigênio arterial, redução dos níveis de lactato, diminuição dos níveis de fibrinogênio e aumento do número de linfócitos. O alívio sintomático começou após a 2ª sessão. Não foram relatados eventos adversos significativos.

Esses resultados podem ser explicados pelos efeitos fisiológicos conhecidos da OHB, relacionados à patogênese do vírus SARS-CoV-2:

Aumento da ligação competitiva de oxigênio à molécula de hemoglobina - foi postulado recentemente que o SARS-CoV-2 se liga ao componente heme na molécula de hemoglobina e reduz a afinidade do oxigênio com a hemoglobina. Durante a OHB, o aumento da quantidade de moléculas de oxigênio disponíveis aumenta a ligação às moléculas de hemoglobina. Isso mostrou efeitos benéficos significativos em casos de outra molécula competitiva, como intoxicação por monóxido de carbono.

Oxigenação do tecido - O conteúdo de oxigênio nos diferentes tecidos é multiplicado por 25 a 30 vezes. Esse efeito tem dois aspectos terapêuticos: primeiro, superar a hipóxia pulmonar (derivação ou incompatibilidade de QV) aumentando significativamente a FiO2. Ao elevar o gradiente de oxigênio pulmonar, a difusão de oxigênio aumenta e pode superar a inflamação nos alvéolos e a fibrose espessada causada pela SDRA. Durante a sessão com OHB, a quantidade de oxigênio dissolvido no plasma se torna significativa e permite a oxigenação do tecido sem a necessidade de glóbulos vermelhos.

Anti-inflamatório - A HBOT reduz as seguintes citocinas inflamatórias, tanto no nível de proteínas quanto na expressão de genes (mRNA): IL-2, TNF-alfa, IL-6, IL-1beta. O efeito anti-inflamatório tem sido demonstrado em doenças crônicas, bem como em modelos de infecção aguda e hemorragia maciça.

O objetivo do presente estudo é avaliar a eficácia da OHB em pacientes com COVID-19 moderado a grave de maneira controlada e randomizada.

Protocolo Após a assinatura do consentimento informado, os pacientes serão randomizados 2: 1 para o grupo de oxigenoterapia hiperbárica e o grupo de oxigenoterapia normobárica. Após a randomização, os pacientes serão submetidos a avaliação, incluindo sintomas, sinais vitais, função pulmonar, exames de sangue.

Os pacientes serão submetidos a 8 sessões de oxigenoterapia hiperbárica/normobárica, 2 sessões por dia, em 4 dias consecutivos. Durante as sessões, os sintomas e sinais vitais serão monitorados. 1 dia e 1 semana após a última sessão, a reavaliação será realizada. Confira mais informações sobre o estudo aqui.

1 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Saiba mais :

  • Grey Facebook Ícone
  • Ícone cinza LinkedIn
  • Grey Instagram Ícone