• IBEPMH

Influência da OHB na capacidade de formação de trombo em humanos

O departamento de Emergência e Medicina Intensiva, Faculdade de Medicina, Universidade de Saga no Japão analisa as mudanças na formação do trombo antes e após a terapia com OHB usando um sistema de análise de formação de trombo total (T-TAS).


Introdução


O tratamento com Oxigenoterapia Hiberbárica (OHB) é um método terapêutico histórico introduzido em 1622 por Nathaniel Henshaw, um médico britânico. No século 19, foi relatado como método terapêutico para doenças como tuberculose, cólera, surdez, anemia e hemorragia sendo reconhecido mundialmente.


Os efeitos relatados da terapia com OHB na cicatrização de feridas incluíram melhora da hipóxia do órgão e do fluxo sanguíneo com vascularização, diminuição das citocinas inflamatórias, redução do edema, aumento dos fibroblastos e geração de colágeno. Além disso, foi relatado que a terapia com OHB ativa as células brancas do sangue e macrófagos e pode controlar as infecções dos tecidos moles e dos ossos que têm dificuldade de cicatrização. As plaquetas e os glóbulos brancos estão intimamente relacionados com a cicatrização de feridas e o controle de infecções. Existem vários relatos sobre os efeitos da função plaquetária em relação à terapia com OHB, mas esses relatórios são variados. Isso pode ocorrer porque as funções plaquetárias e de coagulação são instáveis ​​e, portanto, a medição precisa é difícil. Diversos métodos para medir as funções plaquetárias e de coagulação foram desenvolvidos anteriormente. No entanto, essas metodologias mediram a impedância entre os eletrodos quando as plaquetas se agregam e a tensão de cisalhamento por movimento rotacional. Portanto, esses métodos podem não avaliar com precisão o processo de formação de trombo na corrente sanguínea in vivo.


Neste estudo, foi usado um Sistema de Análise de Formação de Trombo Total (T-TAS) para analisar as mudanças na formação de trombo, incluindo a função plaquetária antes e após tratamento com OHB.


O T-TAS é um dispositivo que permite que o sangue total flua através dos vasos sanguíneos simulados revestidos de colágeno e fator de tecido e é capaz de medir continuamente a curva de pressão desde a formação do trombo até a oclusão. No corpo humano, a formação do trombo depende dos componentes que ajudam na formação do trombo no sangue, o estado das paredes vasculares e a taxa de fluxo sanguíneo. O T-TAS permite que as amostras fluam através de um vaso sanguíneo simulado uniforme a uma velocidade constante e, portanto, a capacidade de formação de trombo do sangue pode ser avaliada facilmente. O fluxo sanguíneo para os vasos simulados é alterado de acordo com as condições experimentais; assim, o processo de formação do trombo é altamente semelhante ao processo in vivo e pode ser melhor avaliado em relação a outros dispositivos. No estudo atual, foi avaliado o efeito da terapia com OHB na capacidade de formação de trombos em humanos usando o T-TAS.


Materiais e métodos


Seis pacientes que foram recomendados para terapia com OHB para úlceras de pele e tecidos moles e fasceíte necrosante. A idade média foi de 65 anos (variação de 54-75 anos), com quatro pacientes do sexo masculino e duas do sexo feminino. A medição da capacidade de formação de coágulos por T-TAS foi realizada usando as amostras colhidas nas primeiras três sessões após sessão com OHB. Isso ocorreu após presumir que, depois de várias sessões de terapia com OHB, uma melhora do fluxo sanguíneo poderia ser suficiente e que seria visto muito poucas diferenças entre as amostras.

Os pacientes foram tratados em uma única câmara hiperbárica e cada sessão consistiu em 60 minutos de exposição a oxigênio a 100% a 2,0 atmosferas absolutas (ATA); pacientes foram submetidos a 15 a 30 sessões de terapia com Oxigenoterapia Hiperbárica.


Método de medição T-TAS


O T-TAS é um dispositivo que pode observar o curso do tempo da formação do trombo em um vaso sanguíneo simulado a uma taxa de fluxo constante. Uma vez que a velocidade de formação e firmeza do trombo é refletida pela curva de pressão, a coagulabilidade do plasma e a função plaquetária podem ser analisadas pela curva de pressão. Dois tipos de microchips podem simular vasos sanguíneos: o chip PL e o chip AR. O AR-chip simula um vaso sanguíneo coberto com colágeno e fator de tecido. Após a adição de Ca ++, o sangue total citratado é ativado por colágeno e fator de tecido no vaso simulado, e um trombo firme é formado por placas ativadas e fatores de coagulação. Portanto, podemos avaliar a capacidade combinada das plaquetas e do sistema de coagulação na formação de trombos usando o AR-chip.


Foram coletadas amostras de sangue nas mesmas condições para cada microchip usando uma agulha alada 23-G e realizamos medições imediatamente antes e depois.


Terapia de OHB - T10 (tempo para atingir 10 kPa da linha de base) foi definido como o início da formação de trombo branco e T80 (tempo para atingir 80 kPa da linha de base) foi definido como a oclusão completa de capilares causada pela formação de trombo. Durante as medições, a temperatura do chip AR foi ajustada para permanecer constante em 37 ° C. As amostras no reservatório foram impelidas a uma taxa constante de 10 µl / min para o chip AR usando uma bomba.


Os tempos até o início da formação do trombo branco (T10) e a oclusão completa do capilar (T80) foram analisados ​​por uma análise de variância de medida repetida de duas vias (ANOVA). Todos os procedimentos estatísticos foram executados usando o software SPSS.


Resultados


Medições T-TAS - medidas antes e após a terapia com OHB. Este resultado das medições foi obtido de pacientes com úlcera cutânea. Os dados de todos os pacientes, incluindo três pacientes com fasceíte necrotizante. A redução da capacidade de formação de coágulos pela terapia com OHB foi confirmada em todos os pacientes. A duração do tempo para o aumento da pressão foi maior após a terapia com OHB do que antes da terapia com oxigenoterapia hiperbárica. Isso indicou que a capacidade de adesão do coágulo à superfície interna do vaso sanguíneo simulado e a capacidade de formação de coágulo diminuíram. Como o T-TAS pode observar o status do fluxo sanguíneo em um vaso sanguíneo simulado - obtido por meio de uma microcâmera em tempo real - também pudemos avaliar que a capacidade de formação de trombo foi reduzida pela terapia com OHB.


Os resultados da análise estatística de T10 e T80 foram significativamente prolongados pela terapia com OHB (p <0,05).


Discussão


Neste estudo, foram determinados que a terapia com OHB induz mudanças na capacidade de formação de trombos de pacientes que sofrem de úlcera ou infecção, conforme confirmado por T-TAS mimetizando a condição fisiológica. Até onde é sabido, este é o primeiro relatório mundial usando o T-TAS. O estudo anterior correspondeu às alterações da função plaquetária em ambientes de alta pressão atmosférica in vitro. Vários estudos relataram a influência da terapia com OHB na capacidade de formação de trombo, e muitos desses relatórios concluem que a capacidade de coagulação foi aumentada. Um estudo sugere que a terapia com OHB pode aumentar os eventos trombóticos. No entanto, no relatório usando vasos sanguíneos simulados em um estado próximo ao in vivo, a terapia com OHB mostrou reduzir a capacidade de formação de trombo. Nenhum relatório indica diretamente que a terapia com OHB aumenta os eventos trombóticos in vivo; esses achados são corroborados pelo estudo atual.


Além disso, os resultados sugerem que a melhora na cicatrização de feridas pode ocorrer com a terapia com OHB. Esta mudança na capacidade de formação de trombo pela terapia com OHB pode afetar a melhora da vascularização. No corpo humano, a capacidade de formação de trombos do sangue que depende das plaquetas a função e os fatores de coagulação, o estado do endotélio vascular que forma as vias para o sangue e os fatores mecânicos, como a taxa de fluxo e a constrição vascular, todos contribuem para a formação do trombo. O T-TAS possui um vaso sanguíneo simulado padronizado e uma microbomba que pode regular a velocidade do fluxo; portanto, não é afetado por fatores como características dos vasos sanguíneos ou vascularidade. Assim, a terapia com OHB provavelmente afeta o fluxo sanguíneo, reduzindo a capacidade de formação de trombo, conforme observado em nossos resultados. Como influência direta, o estresse dinâmico da pressurização pode alterar a função plaquetária, conforme mencionado em nosso estudo anterior.


Com o uso da terapia com OHB, o estudo foi capaz de detectar uma mudança na capacidade de formação de trombos em humanos. O equipamento de medida utilizado pode avaliar o processo de formação do trombo com fluxo sanguíneo controlado, uma grande vantagem em relação ao equipamento de medida que foi utilizado no relatório anterior. Assim, ao contrário de relatórios anteriores, a capacidade de formação de trombo diminuiu. No presente estudo, foi investigado pacientes com úlceras de pele e partes moles e fasceíte necrotizante. A terapia com OHB é conhecida por ser eficaz para essas doenças.


O T-TAS é utilizado para avaliar se a terapia com OHB é benéfica em termos de melhora da função de coagulação para outras doenças, como sepse e colite isquêmica. Dessa forma, é possível aplicar a terapia com OHB como uma nova opção de tratamento para essas condições.


Limitações


Existem algumas limitações em nessa investigação. Notavelmente, o número de amostras é muito pequeno. Além disso, as doenças e gravidades subjacentes dos pacientes inscritos variaram. Portanto, uma investigação mais aprofundada com um tamanho de amostra maior deve ser garantida para esclarecer os efeitos da terapia com OHB na capacidade de formação de trombo.


Conclusão


A terapia com OHB reduziu a capacidade de formação de trombo em humanos, confirmada por T-TAS. Foi usado o T-TAS para avaliar o processo de formação do trombo, mimetizando as condições fisiológicas. Os pesquisadores acreditam que o T-TAS é um método promissor para prever a eficácia da terapia com OHB.


Fonte: UHMS


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo